SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Invicto no Campeonato Brasileiro desde sua chegada ao Palmeiras, o técnico Luiz Felipe Scolari, 70, tem a chance de aumentar a lista de títulos no seu currículo nesta noite, às 21h45, quando o alviverde recebe o América-MG, no Allianz Parque, pela 36ª rodada da competição.

Ele pode ganhar o seu sexto torneio nacional -venceu quatro vezes a Copa do Brasil e uma vez o Brasileiro- e acabar com o estigma de que pouco poderia acrescentar ao futebol do país atualmente.

Quando o gaúcho foi contratado, em julho deste ano, ele enfrentou os olhares desconfiados de parte da torcida palmeirense. Mais velho entre os técnicos da Série A, era visto como ultrapassado.

Scolari ainda convive com a mancha na carreira de ter comandado a seleção brasileira na pior derrota do time em uma Copa do Mundo, o 7 a 1 diante da Alemanha, no Mineirão, na semifinal de 2014.

O próprio treinador admitiu à Folha em 2017 que a goleada era um entrave para voltar a dirigir um clube no país.

“Voltar para ser técnico no Brasil eu não quero”, afirmou em naquele ano, quando estava na China. “Pelo que eu iria brigar aqui no Brasil como treinador? O que acrescentaria ao meu currículo? Confusão na minha vida. Mesmo que fôssemos campeões, apagaria o que aconteceu na Copa de 2014? Não”, completou.

Para sorte dos palmeirenses, o técnico mudou de ideia em 2018, quando aceitou o convite do clube para ser o substituto de Roger Machado.

Com o ex-técnico da seleção brasileira, o Palmeiras bate recordes e tem nesta quarta-feira a primeira chance de terminar a rodada como campeão.

Até o momento, o clube tem a melhor marca de invencibilidade da história do Campeonato Brasileiro desde 2003, quando o torneio começou a ser disputado no formato de pontos corridos. Já são 20 confrontos sem perder, sendo 14 vitórias e 6 empates.

Para o título chegar de forma antecipada, além de vencer o time mineiro, o Palmeiras, que tem 71 pontos, também precisa torcer contra os rivais com chances de levantar a taça. O Flamengo é o segundo colocado, com 66 pontos, seguido pelo Inter, com 65. Ambos não podem ganhar seus jogos nesta quarta.

O time gaúcho entra em campo antes, às 19h30, para enfrentar o Atlético-MG, no Beira-Rio. Já o rubro-negro recebe o Grêmio no Maracanã, no mesmo horário do jogo do Palmeiras. Assim, o time alviverde vai ao gramado sabendo se poderá ser campeão.

Vencer o Nacional permitirá ao alviverde comemorar a terceira taça em sua nova arena, inaugurada há quatro anos. Desde então, a equipe foi campeã da Copa do Brasil, em 2015, e do próprio Nacional, em 2016. O clube tenta caminhar para uma hegemonia e disputa com seu principal rival, o Corinthians, pelo posto de maior vencedor recente. O alvinegro venceu os Brasileiros de 2015 e 2017.

Desde que assinou contrato com sua principal patrocinadora, a Crefisa, no início de 2015, o Palmeiras teve um crescimento importante, que chega a ser comparado com os anos de patrocínio da Parmalat, na década de 1990, quando o time alviverde faturou vários torneios, como Campeonato Brasileiro (duas vezes), Copa do Brasil, Mercosul e Libertadores.

Mas é preciso vencer a ansiedade para coroar a temporada, segundo afirmou Scolari após o empate contra o já rebaixado Paraná, no domingo (18), em Londrina.

“Atrapalhou, principalmente no segundo tempo, quando nós empatamos o jogo, e depois, ansiosamente, começamos a não jogar futebol, a não criar situações que poderiam nos dar a vitória. Era tudo apressadinho. Não é assim que estamos jogando, é uma situação que vai ter que ser trabalhada durante a semana”.

PALMEIRAS

Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez, Diogo Barbosa; Thiago Santos (Felipe Melo), Bruno Henrique, Moisés; Willian, Borja, Dudu. T.: Luiz Felipe Scolari

AMÉRICA-MG

João Ricardo; Norberto, Messias, Matheus Ferraz, Carlinhos; Leandro Donizete, Juninho, Matheusinho (Christian); Luan (Christian), Rafael Moura, Ademir. T.: Givanildo Oliveira

Estádio: Allianz Parque, em São Paulo

Horário: 21h45 desta quarta

Juiz: Paulo Roberto Alves Júnior (PR)



Source link

gostou ? entao curti e compartilhe nas redes socias